22/03/2023 às 11h33min - Atualizada em 23/03/2023 às 00h03min

Localizado na Bela Vista, Centro Cultural Afrika oferece exposições, shows, comidas e bebidas típicas, oficinas e à cultura e pluralidade do continente africano

Idealizado pelo músico e produtor Yannick Delass, o espaço cultural traz programação que dá ênfase à riqueza e diversidade das tradições africanas e de imigração

SALA DA NOTÍCIA Angelina Colicchio
www.instagram.com/centro_cultural.afrika/?next=%2Fbario_bar%2F
Divulgação

Centro Cultural Afrika | Crédito: Ugalucci
Link para mais fotos do espaço  

 

O Centro Cultural Afrika (Rua Major Diogo, 518 - Bela Vista) é um espaço criado pelo músico e produtor congolês Yannick Delass que promove um intercâmbio cultural entre africanos, afro-brasileiros e o público engajado em conhecer mais a respeito da cultura e das tradições contidas nos países do continente africano. O objetivo central é produzir e difundir a arte e os conhecimentos provindos de artistas africanos, oferecendo também, ao público, a oportunidade de conhecer novos talentos, linguagens e produções artísticas de diferentes partes do mundo.

 

O espaço foi criado após Yannick Delass identificar uma ausência, na cidade de São Paulo, de palcos onde pudesse apresentar suas músicas e  também a de seus colegas. Foi a partir dessa percepção que Delass desenvolveu uma pesquisa com artistas africanos residentes no Brasil e afro-brasileiros a respeito da importância da inauguração de um centro cultural africano na cidade de São Paulo - algumas das pessoas que participaram da pesquisa que apoiou a implementação do projeto são Sabrina Chaves, ativista cultural; Eddie Miranda, palhaço; e Lwiza Gannibal, etnomusicóloga, jornalista, documentarista e coordenadora do Projeto Mbiracles, de promoção e difusão da música tradicional africana no Brasil.

 

Atualmente, o espaço oferece aulas gratuitas de canto ancestral, lingala (idioma bantu), dança, guitarra congolesa, contrabaixo e culinária Panc (Plantas alimentícias não convencionais). Para se inscrever, basta acionar a equipe do Centro Cultural Afrika por mensagem direta no Instagram. O espaço também oferece almoço que fica disponível no cardápio aos sábados, das 11h30 às 16h30. Nos demais dias e horários, há bebidas típicas e porções. 

 

Programação Cultural

 

O Centro Cultural Afrika conta com programações de segunda a sábado, que variam de entradas francas a R$15 e são compostas por shows, oficinas, bailes e palestras. Nas quartas-feiras, há o projeto fixo Quartas de Cumbia, que promove a diversidade intercultural ao trazer ritmos que mostram o potencial da imigração na cidade de São Paulo. Já a Quinta de Coco e Forró, que ocorre às quintas-feiras, traz programações que contemplam esses dois gêneros musicais. 

 

Às sextas-feiras, acontece o Afrika Baile. Com uma proposta musical envolvente e dançante, o baile traz ritmos representativos de gêneros musicais africanos distintos, como Aguaya, Decha, Bulawê, Rumba Congolesa, Sebene, Semba, O'Semba e Makossa, além de canções do povo bantu. Como conta Yannick Delass, "o baile promove uma verdadeira viagem sonora por Moçambique, Congo, Angola, São Tomé e Príncipe, Gabão e Camarões, conectando paulistanos com a música africana contemporânea e proporcionando uma experiência festiva singular".


Para o mês de março, a programação especial conta com a Festa Balkão, no dia 04 de março; o Dj KL Jay, no dia 07 de março; e Jairo Pereira, cantor multi artista que trabalha com referências da arte preta, no dia 25 de março. 

 

Sobre Yannick Delaas

Yannick Delass é cantor, compositor e guitarrista congolês. Começou sua carreira com sete anos em um coral religioso na República Democrática do Congo, onde se formou em canto e harmonia musical no “Centro Reveil Du Salut". Yannick integrou bandas que contribuíram em sua evolução musical, como FTR Music, no Congo, e Banda da Ilha, em São Tomé e Príncipe.

 

Com 20 anos, deixou a República Democrática do Congo para conhecer o mundo e viver de sua música engajada. Esteve no Gabão, na África do Sul, na Indonésia, em São Tomé e Príncipe, em Cabo Verde e no Brasil, onde se estabeleceu definitivamente em 2016. Fez parte dos projetos musicais "Homenagem à primeira dama do Gabão - Edith Bongo” e “Música de Zuntamon” (UNESCO, São Tomé e Príncipe), além de participar dos álbuns de Pepe Lima, Timmy Djone, Os Descendentes (São Tomé e Príncipe), Ozavino (Gabão), Freitas Tubila (RDCongo) e Emílio Martins (Brasil).

 

Yannick já realizou apresentações ao lado de músicos com reconhecimento nacional e internacional, como Chico César, Luedji Luna, Bira Reis, Léo Bazico, Gerônimo (Brasil), Lokua Kanza (Congo), João Seria (São Tomé e Príncipe) e Nicolas (Chile).

 

Em carreira solo, produziu três álbuns: "Stop", gravado em 2013 entre Gabão, República Democrática do Congo e São Thomé e Príncipe, "Outros Rios" (2015), desenvolvido em parceria com o violeiro mineiro Juliano Botti; e seu último disco, “Espoir (esperança)”, projeto de composições autorais lançado em 2017, tratando de temas como igualdade racial, justiça social, imperialismo, imigração e lutas, no qual composições e arranjos africanos são executados por músicos brasileiros.

 

Desenvolveu sua carreira solo internacionalmente se apresentando em diversos eventos e festivais. Em São Tomé e Príncipe participou do "Cacau Jazz", em 2012, "Concerto Luanda Suave e Frenética", "Festival Gravana", "Vinte Anos de Gala da TVS", "Festival da Francofonia", em 2013, e "Bienal Internacional de São Tomé e Príncipe" (2013-2014). Em Cabo Verde, tocou no "Show da Manhã" em 2014, 2015 e 2016, e no "Quintal da Música", em 2016.

 

No Brasil já se apresentou no “Festival de Arte Negra”, em Belo Horizonte, no ano de 2015; foi vencedor do “V Festival de Música e Poesia do Imigrante” em 2016 e participou do “VII Fórum Social Mundial de Migração” no mesmo ano. Se apresentou na “Bienal Sesc de Dança”, no “Festival Musiques D'Afrique”, na Virada Cultural e no MasterChef no ano de 2017. Em 2018 esteve no Ceará para o "Festival Cordas Ágio em Cariri" e em Brasília para o "Festival Internacional República Blues". No mesmo ano participou da "II Edição do Festival Gringa Music" e do "Festival Pinheiros (São Paulo)". Iniciou 2019 tocando no "Festival Cobra Cantagalo", em Paraty-RJ, e na "Mostra Sesc de Culturas no Crato". 

 

Além de seus shows em festivais, Yannick Delass já se apresentou em formatos diversos no circuito Sesc, além de se apresentar no Jazz nos Fundos, Centro Cultural Olido, Casa de Francisca, Biblioteca Mario de Andrade e Centro Cultural da Juventude, entre outros.

 

Sobre o Centro Cultural Afrika 

O Centro Cultural Afrika é um espaço que proporciona a arte e a cultura africana manifestada pelos africanos, como uma fonte legítima e contemporânea de informações. O centro cultural apresenta o continente em sua pluralidade de histórias, costumes e tradições revelando a riqueza cultural com atividades em diversas linguagens artísticas, para contar a África atual.

 

Centro Cultura Afrika  

Endereço: R. Maj. Diogo, 518 - Bela Vista, São Paulo 

Telefone para contato: (11) 95973-7840

Horário de Funcionamento: Quarta e quinta-feira: 18:30–01:00

Sexta-feira e Sábado: 18:30–02:00

Capacidade: 200 pessoas

Ingresso: Consultar a programação. Os preços variam de acordo com o evento

Vendas na bilheteria


Redes Sociais 

Instagram | Facebook 

 

Assessoria de imprensa Pevi  | Centro Cultural Afrika 

Angelina Colicchio – 11 99299 2877

Diogo Marins Locci – 11 99906 0642

[email protected] | [email protected] 

 


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalaurora.com.br/.
Jornal Aurora Publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp