22/03/2023 às 16h31min - Atualizada em 23/03/2023 às 00h01min

Aos 45 anos, Grupo Oficcina Multimédia lança livro dia 30 de março na SP Escola de Teatro

Organizado por Ione de Medeiros, diretora do grupo de teatro desde 1983, a publicação é do selo Lucias, projeto gerido pela Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap).

SALA DA NOTÍCIA maria fernanda teixeira
Acervo pessoal
Para comemorar os 45 anos de uma trajetória ininterrupta de vanguarda e experimentação da companhia de teatro mineira criada em Belo Horizonte em 1977, o Grupo Oficcina Multimédia (G.O.M) terá sua trajetória registrada em livro a ser lançado no dia 30 de março, às 19h, na sede da SP Escola de Teatro, na Praça Franklin Roosevelt, 4° andar. Publicação do selo Lucias, projeto gerido pela Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap), o livro Oficcina Multimédia – 45 anos é uma edição significativa para o teatro brasileiro não apenas pelo caráter documental, mas principalmente pela forma como é descrito o processo criativo da companhia e pelo impressionante registro fotográfico.

Escrita por Ione de Medeiros, pianista, atriz, figurinista, cenógrafa, curadora, produtora cultural e educadora artística, a obra, dividida em cinco capítulos, abrange 15 anos do trabalho do grupo (2007-2022) e é recheada por memórias dos artistas, informações sobre os espetáculos já encenados e textos críticos. Na primeira parte, Ione de Medeiros apresenta uma sinopse, particularidades e curiosidades sobre cada espetáculo: As últimas flores do jardim das cerejeiras (2010), Play it Again (2012), Aldebaran (2013), Macquinária 21 (2016), Boca de Ouro (2018) e o projeto inacabado Vestido de Noiva (2019).

No final de cada um dos cinco capítulos sobre os espetáculos, escritoras convidadas – Julia Guimarães, Mônica Medeiros Ribeiro, Telma Fernandes, Leda Maria Martins e Papoula Bicalho – expõem suas impressões sobre as relações com a encenação abordada. Descrevem, comentam, contam a partir do olhar de quem vivenciou. Desenham um tempo, um espaço, suas tensões e contradições e, assim, ressignificam o presente, o modo de cada uma lembrar-se da época no momento da narrativa. Em seguida, a diretora entrevista a si mesma — mais uma vez, subvertendo as convenções, criando uma sensação de intimidade, evocando conhecimento e emoção, transportando o leitor para o momento da encenação e reconstruindo o cotidiano do processo de montagem.

Ione ressalta que o apoio financeiro da Fundação de Educação Artística foi determinante para a continuidade e longevidade do G.O.M. por mais de quatro décadas. “Com a garantia de uma sede para ensaios e pesquisa de material cênico, a linguagem cênica foi se definindo e ampliando suas próprias possibilidades de encenação. Este amadurecimento promoveu a inserção do grupo no panorama cultural da cidade, e começamos a ser beneficiados por editais de Leis de Incentivo, participando de festivais aqui no Brasil e no exterior”, conta ela.

O Grupo Oficcina Multimédia desenvolveu uma metodologia própria e mantém uma rotina de ensaios diários que incluem técnicas de aquecimento e rítmica corporal e improvisações sobre temas diversos, independentemente de estarem cartaz ou não. Isso resulta em uma constante experimentação e renovação, promovendo um novo olhar do público sobre suas encenações.

“O elenco é estimulado ao contato com todas as artes, a frequentar salas de exposição filmes, concertos musicais, espetáculos de teatros e dança. Esta multiplicidade de expressões artísticas enriquece a sensibilidade de cada um e interfere na sua relação com a própria montagem de espetáculos. A linguagem multimeios permitiu que eu tivesse contato com todas as artes e transferisse estes conhecimentos para nossa linguagem cênica multimeios. Eu encaro a arte como uma profissão a qual eu me dedico com muita paixão. Eu me considero privilegiada por ter mantido este interesse até os dias atuais, e podido transformar esta experiência em linguagem”, conclui Ione.

Sobre o Grupo Oficcina Multimédia
O Grupo Oficcina Multimédia pertence à Fundação de Educação Artística desde 1977, quando foi criado pelo compositor Rufo Herrera no Curso de Arte Integrada do XI Festival de Inverno da UFMG. O espetáculo Sinfonia em Ré-fazer (1978) inaugurou a linguagem multimeios e, pela primeira vez, levou para o palco os instrumentos de Marco Antônio Guimarães (UAKTI) integrados ao texto, movimento e material cênico. Desde 1983, sob a direção de Ione de Medeiros, o Grupo mantém um permanente trabalho de corpo, voz, rítmica corporal e pesquisa de material cênico, no processo de elaboração de seus espetáculos.
Os diversos espetáculos montados desde então, gradualmente foram configurando o atual perfil do Grupo Oficcina Multimédia, que hoje se define pela consolidação da multiplicidade da informação; pela elaboração não hierárquica entre os diversos elementos da linguagem multimeios; pela flexibilidade na busca de fontes referenciais para as montagens; pela liberdade de expressão criativa sempre fiel à experimentação e ao compromisso com o risco; e por uma concepção de grupo onde o repertório de cada montagem é o resultado da participação criativa de todos integrantes do elenco.
Como resultado, o Grupo conquistou o respeito do público e vários espetáculos montados, estiveram presentes em eventos culturais diversificados, além de representar o país em festivais nacionais e internacionais no Brasil e no exterior. Paralelamente, o Grupo idealiza, promove e participa de vários eventos culturais referentes a diferentes áreas da criação artística como o Verão Arte Contemporânea (desde 2007, o Bloomsday (desde 1990), a Bienal dos Piores Poemas (Literatura- desde de 1998), o Kafé k Cultural (artes plásticas: instalações, vídeo, cinema e palestras - em 2006 ) e o MARP (Movimento de Arte e Reflexão Política - 4 edições no ano de 2006).

O G.O.M. e a Fundação de Educação Artística
O Grupo Oficcina Multimédia, desde sua criação pertence à Fundação de Educação Artística, compartilhando com ela o mesmo espírito de criação e divulgação de artistas verdadeiramente comprometidos com a arte. ‘’Encontrei na Fundação o respaldo para nossa pesquisa cênica abrangente e o suporte para a continuidade de nossas atividades, priorizando na música a fonte geradora de tudo que resultaria na atual linguagem multimeios’’, ressalta Ione de Medeiros.

Sobre Ione de Medeiros
Ione de Medeiros nasceu em Juiz de Fora em 1942 e se mudou para Belo Horizonte em 1967. Em 1977, participou da criação do Grupo Oficcina Multimédia da Fundação de Educação Artística, que dirige há 40 anos. Além de diretora, é pianista, atriz, figurinista, cenógrafa, curadora, produtora cultural e educadora artística. À frente do GOM, realizou a montagem de 23 espetáculos, tendo como foco a continuidade da pesquisa multimeios, que envolve o trabalho de corpo, voz, imagem, Rítmica Corporal e material cênico na encenação teatral. Recebeu cinco prêmios, entre eles o Bonsucesso de Melhor Direção, com o espetáculo Zaac e Zenoel. Foi homenageada pelo SESC/SATED MG, pela iniciativa de criação e realização do Verão Arte Contemporânea, e recebeu a Medalha de Honra da Inconfidência de Minas Gerais, pelo conjunto de atividades culturais realizadas como artista e pedagoga. É idealizadora e coordenadora dos eventos culturais Verão Arte Contemporânea, Bloomsday e Bienal dos Piores Poemas que o GOM realiza.

Ficha Técnica
Livro: Grupo Oficcina Multimédia – 45 anos.
Coordenação Editorial, Pesquisa e Redação: Ione de Medeiros
Lançamento: 30/03/2023. SP Escola de Teatro – Praça Roosevelt
ISBN: 978-65-84800-04-5.

Edição: Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap) - Lucias
Preço: Distribuição gratuita.
Conselho Editorial: Henrique Torres Mourão, Jonnatha Horta Fortes e Mônica Medeiros Ribeiro
Produtor Editorial: Grupo Oficcina Multimédia. Pesquisa: Henrique Torres Mourão, Jonnatha Horta Fortes e Thiago Meira. Assistente de Pesquisa: Heloisa Mandareli.
Colaboradores: Glória Reis, Julia Guimarães, Leda Maria Martins, Marcos Antônio Alexandre, Mônica Medeiros Ribeiro, Nilcéa Moraleida, Papoula Bicalho e Telma Fernandes. Revisão: Alice Bedê e Isabela Monteiro. Projeto Gráfico: Adriana Peliano. Capa: Adriana Peliano, sobre fotografia de Eric Bezerra do espetáculo Macquinária 21

Instagram e Facebook: @oficcinamultimedia
E-mail: [email protected]

As versões deste livro em formato digital e em audiobook se encontram disponíveis para acesso gratuito nos sites:
oficcinamultimedia.com.br
spescoladeteatro.org.br/biblioteca/selo-lucias

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalaurora.com.br/.
Jornal Aurora Publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp