21/02/2022 às 09h00min - Atualizada em 22/02/2022 às 00h01min

EUA acusam Rússia de criar listas de ucranianos \"a serem mortos\"

Carta assinada pela embaixadora dos EUA na ONU é endereçada à alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet. Rússia nega.

SALA DA NOTÍCIA Agência Brasil
https://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2022-02/eua-acusam-russia-de-criar-listas-de-ucranianos-serem-mortos

Em carta enviada à alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, os Estados Unidos (EUA) alertam para "catástrofe” em caso de uma invasão russa da Ucrânia. Washington diz ter “informações credíveis” de que Moscou está criando listas de ucranianos “a serem mortos ou enviados para campos” após ocupação militar. O Kremlin rejeita a acusação e afirma que é "mentira absoluta".



Na carta, divulgada pelo Washington Post, os EUA dizem estar “seriamente preocupados que uma nova invasão russa na Ucrânia cause sofrimento humano generalizado” e uma “catástrofe dos direitos humanos”.



O documento é assinado pela embaixadora dos EUA na ONU, Sheba Crocker, e endereçada à alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet. De acordo com o texto, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, afirmou que “a Rússia tem como alvo grupos específicos de ucranianos”.



“Gostaria de chamar a atenção para informações perturbadoras, recentemente obtidas pelos Estados Unidos, que indicam que estão sendo planejadas violações e abusos de direitos humanos após nova invasão”, diz a carta.



“Esses atos, que em operações russas anteriores incluíram assassinatos seletivos, sequestros/desaparecimentos forçados, detenções injustas e uso de tortura, provavelmente teriam como alvo aqueles que se opõem às ações russas”, acrescenta a mensagem. Croker descreve que os alvos dos militares russos incluem “opositores ao regime russo, dissidentes russos e bielorrussos exilados na Ucrânia, jornalistas e ativistas anticorrupção e populações vulneráveis, como minorias étnicas e religiosas e pessoas LGBTQI+”.



“Também temos informações credíveis de que as forças russas provavelmente usarão medidas letais para dispersar protestos pacíficos ou enfrentar exercícios pacíficos de resistência por parte da população civil”, acrescenta o documento.



A carta foi enviada na noite de domingo ao gabinete de direitos humanos da ONU na Suíça, segundo o Washington Post.



"Mentira absoluta"



O Kremlin reagiu à carta da embaixadora dos EUA da ONU, argumentando que a suposta lista de ucranianos é "mentira absoluta". A embaixada dos EUA em Moscou alertou os norte-americanos sobre possíveis ataques em locais públicos na Rússia, afirmando que deveriam ter planos de evacuação em vigor. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, descreveu o aviso como “altamente incomum”.



A carta é divulgada no momento em que se tentam os últimos esforços diplomáticos para evitar uma invasão russa na Ucrânia. Depois de ter se reunido mais uma vez com o presidente russo, Vladimir Putin, nesse domingo, o presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que Putin e o seu homólogo norte-americano, Joe Biden, estarão de acordo, "em princípio", com a realização de uma cúpula sobre segurança. Moscou, entretanto, disse que não há, por agora, planos concretos nesse sentido e que é "prematuro" falar dessa possibilidade.



O porta-voz do Kremlin afirmou, porém, que Moscou continua aberta a negociações. "Há um entendimento de que o diálogo deve continuar ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros", disse Peskov, acresentando que "se necessário, os presidentes russo e norte-americano podem ter uma conversa telefônica ou entrar em contato por outros métodos".



A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) convocou para hoje reunião extraordinária dos seus 57 países-membros para discutir a escalada de tensão militar entre a Rússia e a Ucrânia. Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia também se reúnem nesta segunda-feira em Bruxelas, com o chanceler ucraniano.



*É proibida a reprodução deste conteúdo.




Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp