30/04/2019 às 09h50min - Atualizada em 30/04/2019 às 09h50min

Campos reforça ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti

Cerca de 70% dos casos de chikungunya registrados no município estão concentrados no distrito de Travessão

Supcom
Arquivo / Supcom
Na tarde de segunda-feira (29), a Prefeitura de Campos anunciou ações para o combate do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. No auditório da sede da prefeitura, os representantes da Secretaria municipal de Saúde informaram que o município atravessa uma endemia nos casos de chikungunya, que merece o reforço das ações e também de uma atenção especial da população, que deve seguir passo a passo as orientações para evitar a proliferação do mosquito. 
 
O secretário de Saúde, Abdu Neme, disse que haverá o reforço de mais dois médicos na Unidade Pré-Hospitalar (UPH) de Travessão, para o atendimento aos pacientes, com os sintomas da arboviroses. Cerca de 70% dos casos de chikungunya registrados no município estão concentrados no distrito. Os bairros Parque Eldorado, Parque Guarus, Centro e o Parque Turf Club também figuram com bairros acometidos por chikungunya no mês de abril. 
   
“O distrito de Travessão terá um reforço de dez agentes de endemias, que vão ficar locados na unidade de saúde. Quando aparecer um caso suspeito, os agentes irão entrar na residência do paciente e vão fazer uma vistoria minuciosa no local”, revelou o secretário de saúde.   

Neste ano, já foram registrados dois mil casos chikungunya. Em abril, até o último dia 25, foram 478. A diretora de Vigilância em Saúde, a médica infectologista, Andréya Moreira, enfatizou que o município vive um “período endêmico” que é diferente de uma epidemia. “Permanecemos com o vírus circulante, mantemos um número que não é o desejado, mas são dados que dá para conter. Vamos intensificar as ações para não chegar a uma epidemia”, disse Andréya. 

O diretor do Centro de Referência de Doenças Imuno-infecciosas, Luís José de Souza, informou que a unidade de saúde está sobre carregada, porque os pacientes procuram o CRDI, logo no inicio dos sintomas. “Nós pedimos a população para que nos primeiros sintomas da chinkungunya, procure a unidade de saúde mais próxima, lá eles vão ter o atendimento necessário. O paciente tem que procurar o CRDI preferencialmente, após os 14 dias iniciais quando está com dificuldades de levantar e andar”, finalizou Luís José.  

Também participaram do anúncio das ações, o secretário de Desenvolvimento Ambiental, Leonardo Barreto; o superintendente de Postura, Victor Montalvão; e o diretor do CCZ, Marcelo Sales.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalaurora.com.br/.
Jornal Aurora Publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp