15/07/2021 às 07h14min - Atualizada em 15/07/2021 às 14h12min

A enxada e a arma -The Hoe and the Gun

SALA DA NOTÍCIA Denny Silva
Chris Marrow
Divulgacao

Um romance de Chris Marrow

Mas é fato ou ficção?
O romance se passa em Moçambique durante uma guerra civil que durou de 1977 a 1992. Depois de tantos anos separados do resto do mundo, regiões do país voltaram a ser uma terra de mitos e lendas, divorciada do conhecimento moderno e pensei. Os jovens foram vacinados contra armas? Os homens maus poderiam alcançar seu peito e arrancar seu coração? E quem foi o responsável pela guerra? Certamente não foi o povo moçambicano. Os lugares são todos reais, mas e os personagens? Houve uma conspiração nacional para roubar ajuda, orquestrada do topo? Existem poucas respostas definitivas, mas depois de ler este romance, você terá pelo menos uma visão dos interesses conflitantes em um país dilacerado pela guerra.

O fundo:
Jowan Penrose está sofrendo de estresse pós-traumático após um incidente na guerra das Malvinas, quando ele estava no exército. Perdido depois de deixar o exército, ele consegue um emprego em Moçambique para supervisionar a reparação de uma frota de veículos que está sendo usada para levar ajuda às pessoas deslocadas ou empobrecidas pela guerra. Por acaso, ele se depara com um roubo maciço de ajuda alimentar, mas será que ele vai acreditar? Ele pode ser eliminado antes de espalhar a notícia para o resto do mundo? Dois pistoleiros são contratados para eliminá-lo pelo chefe regional do sindicato do crime. Jowan acaba fugindo para salvar sua vida por regiões que permanecem remotas até hoje.

Sobre o autor:

A enxada e a arma -The Hoe and the Gun

A enxada e a arma -The Hoe and the Gun

A enxada e a arma -The Hoe and the Gun

Chris Marrow levou uma vida extraordinária. Como o herói de The Hoe and the Gun, ele foi criado olhando para o Atlântico e para a acidentada costa norte da Cornualha. Ele passou a treinar como oficial de convés em navios de carga refrigerados e viajou pelo mundo, mas assumiu o cargo depois de se casar. Buscando navios e o mar, ele se mudou para as Ilhas Orkney e fundou novos conceitos de balsas inter-ilhas em Orkney e restabeleceu a rota de balsa há muito extinta entre Orkney e Shetland.

Quando a sua empresa foi adquirida, ele acabou velejando numa embarcação de desembarque de 95 pés com alguns da sua família para Moçambique, onde operou duas dessas embarcações para alimentar pessoas deslocadas por longos anos de guerra civil.

Quando a guerra acabou, ele fundou uma instituição de caridade para trabalhar com transporte hidroviário para ajuda, desenvolvimento e socorro, e isso o levou a vários cantos remotos do mundo. Em 1996, ele empreendeu a primeira expedição para viajar por rio do Malawi ao Oceano Índico e de volta pelos rios Shire e Zambeze, e continua a ser uma das únicas pessoas vivas que o fez. Isso o levou a ser convidado a fazer um estudo sobre a privatização da companhia de navegação no Lago Malawi, e posteriormente ele assumiu a empresa do governo e administrou-a como uma empresa privada em nome dos interesses do Malawi.

Entre estas empresas, como alguém que fala português e conhece a costa e os rios daquele país, ofereceu-se para ajudar o esforço de socorro britânico nas catastróficas cheias de Moçambique de 2000 e liderou equipas da RNLI e dos Bombeiros até ao rio Buzi com um Equipe médica francesa para fazer avaliações médicas. (Ele também fala francês.)


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp