26/08/2019 às 15h59min - Atualizada em 27/08/2019 às 09h01min

Casos de demência podem triplicar até 2050

Estatísticas apontam necessidade de políticas de redução de riscos

DINO
Reprodução

De acordo com a Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz), a cada três segundos uma pessoa desenvolve demência no mundo, totalizando, aproximadamente, 10 milhões de novos casos por ano. Estima-se que a população de portadores de demência triplique até 2050 caso não sejam implementadas estratégias de redução de riscos no mundo. Apesar dos dados alarmantes, a condição ainda enfrenta tabus e desconhecimento generalizado.

Marcus Tulius Silva, neurologista do Complexo Hospitalar de Niterói, explica que demência é um termo genérico que envolve diversas doenças, cuja principal característica em comum é a perda de habilidades cognitivas - como memória, atenção, habilidades motoras e função executiva - ou capacidade de organização.
"Quando alguns sintomas, como o esquecimento, de forma geral, começam a atrapalhar a vida de uma pessoa, sendo frequentes, torna-se um sinal de alerta. Outras situações comuns para os portadores de demência são, por exemplo, o abandono do cuidado com a casa, a realização de movimentações financeiras desvantajosas e confusão", esclarece o médico.

O grupo mais afetado pela demência são as pessoas idosas - na maior parte dos casos, a partir dos 60 anos -, mas existem igualmente casos de demência em pessoas mais novas. Conforme a idade avança, as chances de desenvolver a doença também aumentam.

O diagnóstico geralmente é feito por um médico especializado, como o neurologista, o psiquiatra ou o geriatra, por meio de entrevista com o próprio paciente e sua família. Além disso, testes clínicos neuropsicológicos e exames de imagem, como a ressonância magnética, possibilitam a identificação da patologia.
Existem diversos tipos diferentes de demência, sendo o mal de Alzheimer o mais comum. Além deste, há também a demência senil - associada à idade -, a demência vascular - resultado de múltiplos infartos cerebrais -, a demência de Pick e a demência por corpos de Lewy.

A demência de Alzheimer é uma doença de média evolução que começa com um déficit de memória. A demência de Pick causa forte alteração psiquiátrica, fazendo com que muitos pacientes sejam vistos como portadores de surtos psicóticos. Já a demência por corpos de Lewy possui evolução relativamente rápida e provoca grande alteração motora e de comportamento, além de agressividade, com características físicas semelhantes às do mal de Parkinson.

Apesar de não existir prevenção, algumas medidas podem reduzir as chances de desenvolvimento da doença quanto mais precocemente forem tomadas, principalmente do Alzheimer. Manter uma alimentação saudável, rica em óleos de boa qualidade, peixes, frutas e legumes e pobre em carnes vermelhas, bem como praticar atividades aeróbicas regularmente desde cedo, não fumar e beber moderadamente, é fundamental para a redução de riscos, mesmo quando há histórico familiar.

Por ser uma doença progressiva e degenerativa, a demência evolui com o tempo, no entanto, existem alguns tratamentos que servem para desacelerar seu progresso. Vale ressaltar que cada tipo da doença exige uma abordagem específica.

A medicação geralmente é feita por via oral, mas há também em forma de adesivo, por via transdérmica. São disponibilizados, hoje, quatro remédios aprovados para tratamento específico. Já para os sintomas associados, como alteração de comportamento e depressão - muito comuns na demência -, o uso de antidepressivos e antipsicóticos é uma possibilidade.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp